Laserterapia

Como o laser de baixa potência atua na hipersensibilidade dentinária ?
A laserterapia na hipersensibilidade dentinária atua de duas formas: 1. Promovendo analgesia imediata, relatada pelo paciente logo após a aplicação; 2. Estimulando a formação de dentina reparativa a médio e longo prazo.
Antes de iniciar a laserterapia é recomendado verificar a causa da hipersensibilidade. Entre as mais comuns estão: raspagem radicular, sensibilidade após ajuste oclusal rotineiro, exposição dos túbulos dentinários e corte dos prolongamentos odontoblásticos após um preparo cavitário, retração gengival (por força excessiva na escovação, por bruxismo, alimentação ácida excessiva, etc), entre outros. O ideal é sempre associar o tratamento convencional (muitas retrações podem ser resolvidas com restaurações) com a laserterapia.

Como o laser atua no tratamento da mucosite oral?
O laser de baixa potência atua na mucosite oral como antiinflamatório local, analgésico e analgésico, ajudando na cicatrização das lesões orais e melhorando o fluxo salivar do paciente.
Para o paciente, isso significa qualidade de vida, uma vez que os pacientes acometidos com a Mucosite Oral possuem grande dificuldade em se alimentar, deglutir e higienizar a cavidade oral. Neste sentido, garantir ao paciente a possibilidade de poder se alimentar corretamente melhora sua condição geral, fundamental para o sucesso do tratamento médico no qual ele se encontra.

Como o laser atua no tratamento da xerostomia?
O objetivo da irradiação do laser para tratamento da xerostomia é estimular as glândulas a desempenharem sua função normal (ou próxima do normal) mesmo em situações adversas, como é o caso da radioterapia, da Síndrome de Sjögren e do uso de alguns medicamentos, os quais promovem alterações neste tecido.

Como o laser atua no tratamento da Disfunção Têmporo Mandibular (DTM)?
A Laserterapia aplicada às disfunções de ATM tem ação analgésica, antiinflamatória, relaxante muscular e auxilia na reparação das fibras nervosas traumatizadas. Pacientes com trismo (de origem variada) ou em tratamento para DTM são indicados para o tratamento com a laserterapia.
O uso do laser não dispensa a necessidade de reabilitação oral caso os pacientes necessitem de um tratamento mais complexo. O ideal é, portanto, associar a técnica convencional (placas miorelaxantes, ajuste oclusal, etc) com o laser.

Quais os efeitos maléficos que o laser pode causar?
Os efeitos maléficos que o laser pode causar se limitam aos olhos. As lesões oculares que se manifestam variam de acordo com o comprimento de onda da luz laser.
Isso quer dizer que nunca podemos olhar diretamente para o feixe laser sendo indispensável a utilização do óculos de proteção pelo paciente, operador e auxiliar.